quinta-feira, 18 de junho de 2009

Diploma: estudantes indicam o caminho


O dia de ontem e a madrugada de hoje foram momentos de extraordinária reflexão de todos os que estão envolvidos com o ensino do Jornalismo. O que me chamou a atenção, no entanto, não foram as vozes autorizadas da academia nem as propostas precipitadas de campanhas (algumas até com slogans prontos). O que me chamou a atenção nas diversas comunidades de que participo foi a maturidade manifestada pelos estudantes. Poucas foram aquelas despeitadas e rancorosas do tipo "vou trancar a matrícula" ou "vou fazer outro curso porque meu diploma não vale nada". O que ocorreu foi uma verdadeira guerrilha de cobrança dos cursos, uma saudável expectativa de que, com a decisão do STF, as faculdades de Jornalismo encarem com seriedade e compromisso a responsabilidade que têm com seus alunos.

Eis aí um bom indicativo para a comissão que vai propor novas diretrizes curriculares para os cursos: afastar qualquer ilusão de que o perfil da formação "para o mercado" pode resolver o impasse surgido agora. O que os currículos precisam é a possibilidade de oferecer aos alunos perspectivas de rigorosa e densa formação intelectual ao lado da prática experimental que rompa o círculo vicioso do mimetismo que se estabeleceu com a mídia hegemônica.

Se o diploma não é mais exigido, o jornalismo continuará a exigir formação de qualidade. Penso que essa iniciativa deve ser recuperada pelos cursos específicos desde que permitam aos que os procuram a construção de horizontes avançados para a inovação conceitual e para a inovacão aplicada. A decisão tomada ontem pelo STF abre a discussão em dois sentidos: um é o dos efeitos que ela terá sobre a acomodada reserva de mercado que construiu posições imobilistas; outro é o do a inquietação sobre os desafios que a profissão passa a viver a partir de agora. Torço para que a comunidade universitária se preocupe com este último aspecto e deixe de lado, de uma vez por todas, o primeiro.

Leia as ponderações do Prof. Rogério Christofoletti, da Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, e conheça também as reflexões do jornalista Pedro Aguiar divulgadas na lista do Fórum Nacional dos Professores de Jornalismo.

E mais: André Mazini e Leandro Fortes também escrevem sobre as consequências da decisão do STF.

5 comentários:

Fernanda Martins disse...

Faro, querido..
Bom texto e te pergunto os caminhos para essa formação sólida intelectual... Acho que na verdade tudo deveria ser desconstruído e pensado novamente. A academia já está ultrapassada, a inovação bate em nossas portas e ninguém está deixando entrar.. E isso me entristece. Espero mesmo daqui ha uns 10 anos poder fazer novamente este curso. E quem sabe te encontro por lá..

Juliana disse...

Só lamento pela profissão ser tomada agora como função de "qualquer um". Não penso em trancar o curso, pois nunca quis em fazer jornalismo para diploma, mas para aprender o que se trata. Todo mundo pode cozinhar em casa, todo mundo pode escrever. Mas pouco sabem preparar um banquete digno. Acredito, e espero, que as empresas sérias continuem privilegiando os bons profissionais. Tenham eles um "título" ou não.

Tatiana Cavalcanti disse...

Eu, como jornalista formada e pós-graduando, fico indignada com a decisão do STF.

A não obrigatoriedade do diploma de jornalismo p/ exercer a profissão vai acarretar em despreparo e falta de emprego a quem estudou de fato.

O diploma não acaba com o direito a liberdade de expressão. Apenas capacita o profissional a passar info adequadamente. Não é para qquer um.

Quem quer brincar de jornalista exercendo o direito a liberdade de expressão, monte um blog e não roube emprego de quem estudou.

A classe de jornalistas acabou. Não existe mais, na minha opinião. Que belo exemplo deste país, o único que acredita na balela aprovada ontem.

O diploma deveria garantir nossos empregos sim. As redações estão repletas de profissionaois que não são jornalistas... e muitos jornalistas de fato estão passando fome, sem seus empregos. Vamos chorar sim, e muito. O jornalismo vai falir no Brasil.

Lu Arrais disse...

Olá professor,

Saudades das suas aulas! Só venho aqui dizer que não desistirei da faculdade. Não estou lá só para comprar um diploma à prestações!

Um abraço,

Luana Arrais

Natássia Meirelles disse...

É triste a crise em que se encontra a situação do jornalismo nesse país, querido professor. Em vez de primarem por um jornalismo sério e responsável, que já está complicado, é só tomar como exemplo o caso do blog da petrobrás, isolam essa situação e buscam uma alternativa que se assemelha a uma liberdade de expressão! Isso me parece mais uma baderninha !!! Como disse Matheus Adami, o buraco é bem mais embaixo ...