domingo, 11 de abril de 2010

Pedaços dos jornais de hoje

* Ano passado, o Rio de Janeiro ficou com 1% das verbas destinadas à prevenção de catástrofes naturais pelo Ministério da Integração Nacional. * Nas quatro páginas que o Estadão dedica ao lançamento da campanha de Serra, chama atenção o box "Os movimentos de Serra". Lá pelas tantas, no subtítulo "Investiu junto ao público de baixa renda", está escrito: "Deu entrevistas para programas de rádio e TV populares, como o de Datena, fez viagens ao Nordeste e concedeu a Ordem do Ipiranga a Luiz Gonzaga". Não é possível: o ex-governador deve ter feito mais que isso. * Praticamente, toda a elite política polonesa estava dentro do avião que caiu na região de Katyn, mesmo local onde 20 mil soldados morreram em luta contra os russos. * Os incidentes ocorridos na África do Sul fazem temer o ressurgimento do apartheid. Acho que o regime de segregação racial naquele país nunca deixou de existir. Sugiro a leitura do romance Desonra: toda a tensão entre negros e brancos na era pós Mandela presente no livro de John Maxwell Coetzee. * As galerias do centro de São Paulo e seus requintes modernistas, quem é que sabe disso? * Ugo Giorgetti lamenta a chegada à semifinal do paulistão do Grêmio Prudente. Ele tem razão: um time desenraizado que faz pensar num futebol de aluguel: a equipe não tem cidade, não tem torcida, não tem camisa nem hino e, ao que parece, nem apego ao nome que inventou. * "Vulgar e sem talento", foi como um crítico de TV definiu Elvis Presley no início de sua carreira, anos 50. O The New York Times o chamou de "virtuoso do rebolado grosseiro". A mídia e suas impressões precipitadas sobre o que acontece à sua volta... * O cenário descrito por Celso Ming com base na hipótese de derrota de Dilma assusta.

Um comentário:

Matheus Nahkur disse...

Fica a sugestão do Estadão para Serra incluir no programa de campanha, pasta política social: conceder entrevistas ao Datena e homenagear Luiz Gonzaga.