segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Pesquisa quer mapear produção acadêmica sobre Jornalismo Cultural


Acabo de apresentar meu novo projeto de pesquisa ao Programa de Pós-Graduação da Umesp. Concluídas as reflexões teórico-conceituais sobre o gênero desenvolvidas na 1a. etapa do projeto inicial e encerrados os estudos sobre o universo temático e as práticas editoriais da Folha e do Estadão (leia aqui a íntegra das formulações originais e as conclusões obtidas), minha intenção agora é mapear e analisar a produção acadêmica do período 2007-2010 presente em dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre o assunto nos PPGs em Comunicação existentes no Brasil.

O projeto leva em conta o crescimento do número de estudos sobre o Jornalismo Cultural que tenho observado nos diversos espaços acadêmicos e a necessidade de identificar as principais tendências teóricas que vem servindo de sustentação científica para esses trabalhos. Além disso, pretendo também verificar os veículos sobre os quais o universo empírico dessas pesquisas se estende. Penso que o mapeamento pode ajudar na montagem de um painel que ofereça aos interessados uma radiografia inicial sobre o tal "estado da arte" em que as discussões sobre o assunto se desenvolvem.

Justifico a proposta: dentre todas as manifestações do jornalismo na sociedade brasileira, em seus diversos formatos e gêneros, o Jornalismo Cultural está entre aqueles que reúne um número expressivos de estudos, dentro e fora da Universidade. Apesar da proliferação das pesquisas em torno do tema, é possível formular a hipótese de que sobre ele construiu-se uma varidade dispersa de conceitos e de formulações teóricas cuja sistematização apresenta-se, segundo entendo, como uma contribuição importante, tanto em relação às suas demarcações epistêmicas quanto em direção à própria consolidação e norteamentos da pesquisa pós-graduada sobre o tema. Levo em conta ainda a "explosão" pela qual o Jornalismo Cultural passa em veículos impressos e digitais, fato que gera a necessidade de compreender as visões e interpretações às quais ele é submetido no âmbito dos programas de pós-graduação. Se o mapeamento proposto conseguir chegar a alguma coisa em torno de 80% dessa produção, a pesquisa futura sobre o assunto disporia de um referencial que pode ajudá-la no seu aprofundamento.

Os procedimentos metodológicos de que pretendo lançar mão estão subdivididos em duas etapas. A primeira é de natureza quantitativa e descritiva e diz respeito ao levantamento que será feito junto aos PPGs em Comunicação dos trabalhos de conclusão apresentados. Nessa etapa, o objetivo é identificar focos de abordagem, temáticas, veículos analisados e sua incidência no conjunto das dissertações e teses pesquisadas. A segunda etapa tem natureza interpretativa: a análise estará voltada para os dispositivos conceituais dos quais os trabalhos discriminados na etapa anterior serviram-se para estudar seus respectivos objetos. As duas etapas são naturalmente classificatórias, embora para a segunda esteja reservado um olhar interpretativo sustentado pelas conclusões a que cheguei nos projetos anteriores. O prazo inicialmente previsto para a conclusão da pesquisa é 2013.
______________________________

Um comentário:

Natássia disse...

Nossa, que brilhante, professor!

Quero me manter sempre atualizada sobre esses trabalhos.

Vou entrar mais aqui.

Mas é o seguinte, eu tenho certa dificuldade ainda para entender Jornalismo Cultural de uma forma mais abrangente. Peguei agora o trabalho do professor Herom para dar uma lida.


Em que momento, mestre, o jornalismo cultural esbarra nas novas formas de organização comunicacional que o mundo pós moderno está movimentando?
Ele é produção e distribuiçao de conteúdo?

E este trabalho, se der, vê o que acha. Sei que foge um pouco do tema, mas dialoga com ele também. Tudo se envolve ...

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxtb25vZ3JhZmlhMjAwNmF8Z3g6OGVlMjI5M2RlNGVkMjM2

Tenho saudade.