sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Revisão de literatura

Drummond na praia: melhor ouvir do que falar
A data é 1979 e o título da publicação é Ensaios de Opinião, com a estranha numeração de 2+9, alguma coisa criada para registrar a irregularidade das edições, sempre sujeitas na época ao impoderável do arbítrio ou das próprias dificuldades de sua sustentação material e/ou editorial. Seja como for, foi o número 2+9 que trouxe uma das mais brilhantes (e inquietantes) reflexões sobre os efeitos culturais sensíveis e perversos do prolongado período ditadorial que vivemos entre 1964 e 1985: A geração AI-5. Um ensaio sobre autoritarismo e alienação, de Luciano Martins. O texto depois acabou compondo um livro editado pela Argumento que veio acompanhado de outro ensaio do mesmo autor sobre o Maio de 1968

De tudo quanto está anotado no trabalho de Martins, desses rabiscos que misturam pequenas frases, círculos, grifos e sinais de alerta para trechos importantes, o que me chama a atenção agora não é tanto o esvaziamento ideológico da diversidade de movimentos quase in vitro que se formaram na sociedade brasileira no período em que o ensaio foi produzido, especialmente aqueles que se articulavam em torno da contracultura e da desarticulação anárquica dos discursos institucionalmente organizados - que me parecem ter se transformado na fonte de inúmeras alternativas existenciais dos anos seguintes -, mas os modismos intolerantes e classificatórios que emergiram no interior desses mesmos movimentos. 

O texto de Martins, evidentemente, precisa ser lido com cautela redobrada agora e mais de uma vez, tal é a riqueza conceitual com que o autor procura identificar as várias formas de expressão discursiva e cultural da época. Todavia, me parece que do ponto de vista dos reflexos daquela conjuntura na vida acadêmica, a abordagem mais sensível fica por conta da identificação, no ensaio, do "modismo" como forma de comportamento que mais revelava do que ocultava um certo disfarce de incompetência (ou de impotência) para dar conta da complexidade com que a realidade se apresentava. Deve ter sido na mesma época que entrei em contato com uma outra leitura - infelizmente, com referências absolutamente perdidas agora - que apontava a hegemonia do metodológico sobre as narrativas analíticas e descritivas na abordagem dos problemas políticos e sociais, mais ou menos na mesma linha do que Luciano Martins quer dizer com o foco que põe sobre um desses paradoxos que a ditadura criou para a intelectualidade brasileira (leia mais).
______________________________

Nenhum comentário: