quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Jornalismo: a volta do diploma. Nem todo mundo concorda com isso...

O Senado aprovou ontem, dia 30 de novembro, por 65 votos a favor e 7 contrários, a volta da exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista. Entre o final da tarde e a madrugada de hoje, minha caixa postal voltou a ficar congestionada de manifestações sobre o assunto, a maioria delas de contentamento. A decisão ainda não é definitiva, mas o passo fundamental foi dado. Agora é a vez da Câmara dos Deputados se manifestar.

No meio das comemorações, no entanto, há vozes que discordam do que foi decidido, e é bom abrir espaço para a polêmica porque as razões são fortes de lado a lado. Transcrevo a seguir o conteúdo de duas mensagens da Profa. Ivana Bentes, da Escola de Comunicação das Universidade Federal do Rio de Janeiro, entremeadas pela manifestação em sentido contrário do Prof. Marcelo Kischinhevsky, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Vale a pena conhecer os argumentos de ambos. Leia aqui.
______________________________

Um comentário:

Novos Ventos disse...

CARAMBA!!!! Eu amo meus professores, mesmo os que discordam de mim sobre certos assuntos. Mas em geral, esses se contrapõem de forma argumentativa justificável a ponto de colocar em choque o que penso. Isso é construtivo e de grande valor.

Mas quando se lê uma defesa insólita, desprovida de argumentos sólidos que a justifique, e que ao contrário do que defende valoriza o mercantilismo que tomou conta da profissão de jornalista e em alguns lugares da própria formação desse profissional, aí é de se revoltar.

Esta semana, o Senado aprovou por mais de 60 votos a favor a PEC - Proposta de Emenda a Constituição, que inclui na Constituição a obrigatoriedade do Diploma de Jornalista, derrubado pelo STF em 2009. Pois eis que vi um comentário condenando a decisão dos parlamentares, dizendo se tratar o diploma de "reservar de mercado". Ora, que reserva de mercado a queda do diploma impediu? A dos empresários é que não foi.

Prosseguindo no breve e desconstituído comentário, a super-mestre, diz que tudo melhorou após a queda da obrigatoriedade do diploma e que "Universidades ruins fecharam as portas". Onde? Quando? Como? E segue dizendo que formandos de uma grande Universidade "passam bem, sem a obrigatoriedade". Será que essa pessoa não teve acesso ao depoimento de Vera Lucas - formada pela UFRJ (Leilão de Jornalista)?

Na sua argumentação a pessoa diz ainda que antes da obrigatoriedade do diploma, deve-se brigar pela boa formação. Não vem com essa. Isso é uma luta anterior a queda do diploma e que ganhou força descomunal, após a decisão do STF, na força daqueles que lutaram pela aprovação dessa PEC. Não conheço ninguém que se coloca a frente dessa luta pela obrigatoriedade do diploma, que já antes não tenha se colocado e brigado pela qualidade da formação.

Sinceramente...

Link para o relato "Leilão de Jornalista" de Vera Lucas, que mostra apenas uma das condições de porque não se é possível aceitar as ponderações dessa pessoa que se colocou contra a aprovação da PEC no Senado.

http://www.portaldapropaganda.com/midia/2011/06/0001