sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Concentração financeira no Ensino Superior põe em risco soberania do país

Qualidade de ensino, pesquisa científica, condições de trabalho dos professores... do que é que você está falando exatamente? 
A notícia já está nos jornais de hoje antes mesmo de que mais uma negociata entre um grupo de investidores internacional e uma instituição de ensino privado brasileira seja anunciada: a americana Laureate, que já é dona da Anhembi Morumbi, comprou a FMU por R$ 1 bilhão e, com isso, realiza a maior fusão no setor desde que a Kroton adquiriu a Anhanguera e se tornou o maior grupo empresarial universitário do mundo. 

O resultado dessa nova sociedade que surge hoje é uma maior monopolização do setor, processo que deixa encantadas as mentalidades que curtem essa húbris capitalista. Desmedida sob todos os aspectos, ela, no entanto, subtrai do Estado o poder de disciplinar duas áreas estratégicas para o desenvolvimento da sociedade brasileira - a qualidade da formação dos estudantes e o nível da produção científica, setores nos quais, sabidamente, o que acontece na área privada é de uma mediocridade espantosa (guardadas as devidas exceções).

Há, contudo, um outro aspecto igualmente delicado e nunca sequer mencionado em toda essa movimentação concentracionária dos empresários do ensino superior: a qualidade do trabalho dos professores, incluídos sob esse rótulo não apenas as questões salariais mas também aquelas relacionadas com a qualificação acadêmica e a carreira dos profissionais que atuam na área. Até onde sei, não é o que acontece no país de origem da Kroton e da Laureate. Alí, quando fusões desse porte acontecem, nada se passa sem que os trabalhadores sejam ouvidos e discutam sobre suas reinvidicações no âmbito de negociações ou de projetos anunciados pelos compradores. Aqui, não só as lideranças sindicais estão distantes disso e despreparadas para entender a complexidade do assunto, como até mesmo os Ministérios da Educação e do Trabalho são omissos sobre o problema. Será que o CADE tem condições de opinar sobre fusões na área do ensino? Duvido.

É por isso tudo que a concentração do capital, como já acontece em outras áreas, fere a soberania nacional. No caso do ensino superior é mais grave: faz a mesma coisa, mas também desarticula, desorganiza e desautoriza a ação reguladora do Estado na área. Olhando de perto e ouvindo com atenção o que diz o governo federal sobre questões desse tipo e que envolvem a ação dos interesses privados, a sensação é a de que o assunto sequer é conhecido em toda a sua profundidade. Vai sobrar para o futuro...

Enquanto isso: Universidades (públicas) em SP se destacam em ranking de produção acadêmica (Agência Fapesp)
______________________________

Um comentário:

Wesley M. Pinheiro disse...

Concordo Prof. Faro, vai sobrar mesmo para o futuro. A coisa é muito mais feia do que se vê, pensa e discute. O governo federal tem boa parcela de culpa nisso, pois o FIES passou a ser garantia certa de lucro. A Anhanguera opera com 50% dos seus alunos financiados pelo governo. É mais barato entregar o nosso ensino nas mãos de empresas educacionais do que investir em universidades públicas. O que de fato importa é ter mais gente com diploma na mão...