sexta-feira, 29 de abril de 2016

A identidade de um possível governo Temer é de chorar...

A pior história não é 
Eduardo Cunha virar presidente no caso
 de um afastamento de Temer (uma viagem, 
por exemplo); a pior história é Cunha ser
 convidado para chefiar a Casa Civil.
É colocar o ladrão dentro do cofre.
As notícias sobre os arranjos que Michel Temer tem feito para conseguir levar à frente o golpe e se instalar - à revelia da Constituição - na Presidência da República são todas elas motivo de medo, tal é a profusão de compromissos de todo o tipo, invariavelmente reacionários, que sinalizam dias muito ruins para a sociedade brasileira.

O primeiro bloco dessas informações diz respeito ao ordenamento econômico e fiscal: na linha do equilíbrio orçamentário, Temer avisou que vai rever programas sociais, já que esse é um dos grandes motivos da conspiração que procura afastar Dilma do governo (leia aqui a matéria do Valor Econômico). Segundo Ricardo Paes de Barros, mentirosamente apontado por Temer como um dos criadores dos projetos do PT (leia aqui), o corte será linear em vários setores: da alimentação à educação. O desenho da sustentação de um eventual governo golpista parece confirmar, portanto, que seu fundamento econômico será o de interromper e desfazer a transferência de renda que ocorreu desde 2003 na direção dos setores de baixo poder de compra. Sem tocar no sistema de parasitismo fiscal dos empresários, alocando mais recursos públicos para o setor através das PPPs, a conspiração parece encontrar aí a sublimação que lhe deu origem.

O segundo bloco é o da colcha de retalhos em que vai se transformando o apoio político-partidário que Temer está desesperadamente procurando, além dos grupos que descaradamente o procuram (o caso do PSDB chega a ser humilhante). Não há ninguém que possa ser levado a sério entre os "convidados" para integrar um eventual ministério golpista, ou pelo menos ninguém que possa ser levado a sério na pasta que ocuparia. Afinal, o que é exatamente que Serra faria no Itamaraty? E Moreira Franco no "núcleo duro do poder"? Moreira Franco? Mas há exceções: ninguém tem dúvida sobre o que faria no Ministério da Agricultura um picareta como Ronaldo Caiado, nem sobre quais os prejuízos que os trabalhadores teriam com o Paulinho da Força no Ministério do Trabalho. A articulação golpista pode ter imaginado, em algum momento de euforia com a queda de popularidade de Dilma, que a desmoralização dos espaços de representação política não a atingisse... Na verdade, é oposto o que ocorreu: Temer desfruta dos piores índices de aceitação popular, fato que o coloca na linha de tiro de uma crise de proporções extraordinárias.

E é bom lembrar: mesmo afastada, Dilma continua tendo nas mãos diversas prerrogativas da Presidência da República, cargo que continuará ocupando até o julgamento final do impeachment. Nem ministros o golpista Temer poderá nomear (leia aqui). Portanto, essa valsa que um suposto governo provisório ensaia é mesmo encenação que visa construir em torno do golpe um arremate de legitimação que não está previsto na Lei.

Leia mais: * Temer planeja criar conselho para acelerar privatizações (Estadão) * O pau vai comer (vídeo com Paulo Henrique Amorim) * Crise sem vencedores: PT, Temer e oposição em baixa nas pesquisas (El País) * Dilma pode ter governo paralelo contra Temer (Brasil 24/7) * Sindicalistas vão tentar impedir mudança de direitos (Estadão) * O xadrez do nó econômico com Michel Temer (Luis Nassif, GGN) * MST faz marchas e invade terras contra o impeachment (Estadão) * Governo que venha a surgir do golpe vai enfrentar classes populares (Paulo Sérgio Pinheiro, Ópera Mundi) * As instituições de 88 e o governo dos demônios (João Feres Jr, via GGN) * Resenha: os idos de março e os vindos de abril (do blog).

Em tempo: nem bem compartilhei este post no twitter e recebi a sutil e inteligente observação de @ale_benevides: "o erro está na essência. Nem que fosse um governo de notáveis se justificaria". Ótimo, Alê: "nem que fosse". Qualquer governo de Temer é - e será - ilegítimo e desqualificado...
______________________________

Nenhum comentário: