sábado, 2 de abril de 2016

O Brasil que nos espera... Deus nos livre!

Paulo Skaf, símbolo do atraso
 da burguesia brasileira
Junto com Temer e Cunha, Paulo Skaf não é apenas um dos cabeças da conspiração golpista; é também, o portador da intenção de reduzir a cinzas os direitos sociais, justamente ele, dirigente de uma federação que reúne empresários parasitas que vivem às custas de subsídios, desonerações, lucros estratosféricos (veja aqui o comentário de Luis Nassif e a matéria de Outras Palavras sobre o tema).

Até agora, não há uma única notícia, uma única declaração, um único indício de que as facções que conspiram contra a Constituição tenham qualquer projeto consistente e coerente voltado para a sociedade brasileira, caso cheguem ao governo pela via do golpe. O que há são sinais de que planejam maximizar os ganhos do capital, acabar com as regulações da economia e dos direitos sociais e introduzir reformas que penalizam os valores do trabalho.

Não vejo isso com surpresa. As elites empresariais e financeiras brasileiras, além do fraco desempenho em termos de investimento e inovação - o que faz com a economia afunde na crise - são também parasitárias: acumulam capital graças a benefícios fiscais, desonerações, proteção monetária através de juros subsidiados e possivelmente formam uma das aristocracias que desfruta de margens de lucros mais vergonhosas no mundo inteiro. No conjunto, constituem uma burguesia que se acostumou a viver da burla, ou alguém já ouviu dessa turma algum projeto de envergadura social avançada e progressista que ela tenha ao menos sugerido? O golpe contra a presidente e contra a Constituição é a vitória da apropriação privada da riqueza nacional, com todo o custo histórico que isso vai representar.

Por isso, o desfecho do processo que quer o impeachment de Dilma - que chegou onde está pela vontade da maioria dos brasileiros em eleições transparentes e livres - é, na verdade, uma ameaça sombria sobre o futuro, como deixam claras as matérias abaixo. Recomendo a leitura de todas elas:

* Manifesto de juízes do trabalho contra a imposição de retrocessos aos direitos trabalhistas (Boitempo) * As 55 ameaças aos seus direitos (Sakamoto, IHU) * Conta do impeachment será do trabalhador (Antonio Augusto de Queiroz, Diap) * A elite brasileira quer encerrar o ciclo do PT no poder a qualquer custo (Mário Sérgio Conti, El País) * Governo de Temer causaria a maior crise social da história do Brasil (Roberto Requião, JB) * Meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder (Ministro Luis Roberto Barroso, Estadão) * Fator Fiesp: golpismo de Skaf e empresários reeditam 1964 (Alceu Castilho, Outras Palavras) * Empresários redobram pressão contra o governo e cobram Congresso (María Martín, El País) * Classe C vê crise de perspectiva e teme passo atrás (vídeo do Valor Econômico) * Cid Gomes pede impeachment de Temer (Nathalia Passarinho, O Globo) * Agenda Econômica já divide o PMDB (Estadão) * A oligarquia depenou o PT (Elio Gaspari, Folha).
______________________________

Nenhum comentário: