terça-feira, 10 de maio de 2016

Brasília em festa

Na ilustração da capa da edição 106 do Le Monde Diplomatize, 
toda a significação do retrocesso que vamos viver por um bom tempo
Nossas elites praticam um liberalismo mitigado e minimalista, sempre relativizado em função das circunstâncias. Fazem isso desde o Império, mas sempre dispuseram de funcionários que as servissem fielmente. Michel Temer é talvez o mais brilhante deles, não propriamente por sua competência - não há notícia de que alguém saiba de alguma coisa que Temer tenha feito de relevante em sua vida pública  -, mas por seu servilismo e pelo jeito melífluo que usou como disfarce para chegar onde chegou. Receberá um valioso prêmio por isso: vai sentar-se no lugar de honra da República que lhe cai no colo quase que inesperadamente. No primeiro momento em que estiver a sós é capaz de fazer a si mesmo uma pergunta constrangedora: como é que eu vim parar aqui, meu Deus? É um pulha...

Quem não vai receber prêmio nenhum é a sociedade brasileira que provavelmente a partir de amanhã entra numa zona de insegurança sobre seus direitos e soberania. As melhores notícias dão conta de que a turma meio indefinida que sobe com Temer quer transformar o país e seu patrimônio num imenso leilão, coisa parecida com a tragédia que os povos colonizados viveram no século XVI. Não duvido disso, mas é sempre bom lembrar que foi preciso armar um golpe jurídico, uma farsa parlamentar, com traições de todos os tipos, para se chegar a isso. Em 2014, nas eleições presidenciais, não foi essa a escolha que os eleitores fizeram; a escolha foi outra, por outro programa, que o golpista Temer assinava com Dilma. Quem é que está promovendo o estelionato eleitoral?

Resta saber se será possível representar a peça até o último ato. A sociedade, quando é agredida, funciona como um organismo que tem reações muito parecidas com os organismos biológicos: fica febril, adoece, delira, recupera-se e vai à luta, como faz o corpo. Se a comparação for verossímil, essa turma tem dias contados nessa pantomima que nossa velha mídia não se cansa de promover.

Saiba mais: * Mais um golpe vagabundíssimo (Mário Magalhães, UOL) * Quais as suspeitas que pairam sobre Temer? (BBC) * Temer beneficiou empresa em Angra 3 (Blog do Alceu) * No Senado, 60% dos integrantes respondem a processos (El País) * Diga-me com quem andas: líder do MBL é alvo de 60 processos e tem dívida de quase R$ 5 milhões (Uol) * "Governo" Temer já enfrenta sua primeira crise (Outras Palavras) * Governo de aluguel: quem dá mais? PRB aguarda nova oferta de Temer (Estadão) * Sangria desatada: impeachment não basta para atrair investidor global (Valor) * Lembram? Goldman Sachs recomenda privatizar Petrobras, CEF e Banco do Brasil (Folha) * Entre gangsters: Cunha ameaça Temer e diz que pode ser o começo do fim (Brasil Atual) * OEA e Corte Interamericana analisam o impeachment (GGN) * Secretário geral da OEA consulta Corte de Direitos Humanos sobre impeachment (Ópera Mundi).
______________________________

Nenhum comentário: