domingo, 27 de agosto de 2017

A volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar



A música de Vandré - uma obra prima do cancioneiro nacional - me veio à memória depois de lidas as  manchetes dos jornais deste domingo. Não é verdade que chegamos ao fundo do poço porque nunca se sabe a crueldade que os golpistas ainda são capazes de praticar para se manter no poder, mas o instantâneo de agora me faz crer que o Brasil está se dissolvendo em meio a pouquíssimos indícios de  resgate.

E onde é que a letra de Aroeira nos leva? Leva-nos justamente à expectativa de uma reação explosiva contra os grupos que nos trouxeram a isto que suportamos hoje: vermes no governo, mentiras apregoadas pelo discurso oficial; uma mídia cúmplice de todas as artimanhas que procuram legitimar o golpe contra a democracia. E uma desarticulação da esfera de representação política que, se prosseguir e se alguma liderança popular não arregimentar em torno de si essa indignação geral, vamos cair nas mãos de um condottiere que vai amargar nossas vidas por muito tempo, tipo Doria ou Bolsonaro.

Ficam aí abaixo as principais leituras que me parecem dar conta desse quadro desolador. Minha espectativa está nas forças populares que podem emergir em caravanas de ponta a ponta munidas com cipós de arueira para bater pesado no lombo dessa galera que destruiu o Brasil.

* Os últimos meses de Temer (Vinicius Torres Freire) * Governo em que 94% dos brasileiros não confiam nem deveria existir (Janio de Freitas) * Michel Temer atravessou o espelho (Elio Gaspari) * Marina chama decreto de Temer de 'negociata'  (Josias de Souza) * Supremo virou sucursal da casa da mãe Joana (JS) * Gianetti critica privatização para resolver problema fiscal (Valor) * A economia de um padeiro real e a 'confiança' na quadrilha de Temer (J.Carlos de Assis) * Ilan, o cabeça de planilha, contra lógica econômica (Luis Nassif) * Pacote de privatizações de Temer é o maior da história, mas corre o risco de não sair do papel (El País) * Privatização do governo atrai forte interesse estrangeiro (Uol).
______________________________

Nenhum comentário: