quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Temer e aliados promovem orgia no Planalto com dinheiro público

Práticas corruptas de empresários infestam a legislação favorecem a 
sonegação fiscal sob proteção do Refis

Semana passada, auditores da receita federal definiram o novo Refis como "um tapa na cara da nação". Não é para menos: o processo de renegociação das dívidas fiscais das empresas - desenvolvido às custas de um rombo que inevitavelmente recairá sobre as costas da sociedade - não só "estimula a sonegação" (uma vez que concedem um prêmio para o devedor), mas cria uma anomalia econômica que desfavorece a concorrência (já que dá à empresa devedora uma folga de caixa que a deixa em condição privilegiada no mercado). 

A denúncias (leia aqui), no entanto, não esgotam a sangria a que o Estado brasileiro está sendo submetido no atendimento do empresariado parasita que apoiou o impeachment. Com a clara demonstração da fragilidade de Temer, constantemente nas cordas pelas sucessivas denúncias de que se trata de um facínora, os golpistas esfaqueiam o interesse público como podem e buscam tirar vantagem em qualquer oportunidade. O resultado é fácil de ser entendido: o Brasil está sendo desmontado para atender os interesses de quem que está ao lado do governo numa tal voracidade que até mesmo pessoas físicas e igrejas passam a se beneficiar das vantagens de uma sonegação lealizada:

________________________________

Nenhum comentário: