domingo, 17 de junho de 2018

Torcendo contra?

Manipulação do genuíno sentimento de apego à identidade cultural que o futebol nos oferece transforma-se num deliberado instrumento de opressão ideológica. Gosto de futebol, sou corintiano e acho o Tite um bom técnico, mas não dá para ficar indiferente a essa farsa.

A guerra semiótica calça chuteiras para a Copa 2018
Wilson Ferreira (Bem Blogado)

Para quem ainda duvida e acha que guerra híbrida e bombas semióticas não passam de “teoria da conspiração”, uma simples comparação entre as peças publicitárias que promoviam a Copa de 2014 e a desse ano, na Rússia, põe fim a qualquer dúvida: enquanto a Copa no Brasil foi dominada por criações publicitárias para lá de polissêmicas (ambiguidade entre festa e agressividade, alegria e raiva, em consonância com a pesada atmosfera das manifestações do “Não Vai Ter Copa!” + Lava Jato), nesse ano a publicidade é bem diferente: uníssona e assertiva – a Nação deve ficar unida, esquecer as diferenças e torcer pela Seleção. Em 2018 a Guerra Semiótica veste as chuteiras cumprindo duas funções: a primeira política, pacificar as ruas com a ideia de união e nação; e no campo ideológico, enfiar goela abaixo da choldra as preleções de Tite, misto de “coaching” e pastor motivacional. Para nos fazer acreditar que desemprego não é crise. É oportunidade para virarmos todos empreendedores. Mas, e se algo sair fora do script? Então teremos um “Plano B” cujos balões de ensaio já estão sendo lançados (continue a leitura)

______________________________

Nenhum comentário: