quarta-feira, 11 de julho de 2018

A obra prima do golpe

A extrema pobreza voltou aos níveis de 12 anos atrás

É possível que tenha chegado a hora da criação de um Tribunal Popular
que apure todos os crimes do golpe
(Revista IHU On-Line, 111/07/18) Ao deixar em 2014 a relação de países que têm mais de 5% da população ingerindo menos calorias do que o recomendável, o Brasil atingiu um feito inédito: saiu do Mapa da Fome da ONU. Mas, após três anos do feito, um relatório de 20 entidades da sociedade civil, publicado em julho do ano passado, alertava sobre os riscos de o país retornar ao mapa indesejado.

O economista Francisco Menezes, pesquisador do Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) e da ActionAid Brasil, fez parte da equipe que elaborou o relatório.

Menezes também especialista em segurança alimentar conta que no final deste mês um novo documento atualizado da sociedade civil será lançado. E alerta: “A nossa nova advertência já leva a quase uma certeza”. Essa quase certeza, ele diz, é de que o Brasil voltará ao Mapa da Fome. “Toda a experiência sempre mostrou que os números da extrema pobreza com os números da fome são muito próximos".

Em relação à pobreza e extrema pobreza, por exemplo, levantamento da ActionAidBrasil indica que nos últimos três anos — 2015-2017 — o país voltou ao patamar de 12 anos atrás no número de pessoas em situação de extrema pobreza. Ou seja, mais de 10 milhões de brasileiros estão nessa condição (veja o gráfico abaixo). “Isso nos leva a crer que aquela correlação pobreza versus fome sugere fortemente que a gente já está, neste momento, numa situação ruim, que deve aparecer com os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares — POF — do final de 2018.”

O economista Francisco Menezes concedeu entrevista à Thiago Domenici, publicada por Agência Pública, 10-07-2018 (continue a leitura)

Se tiver tempo e estômago, leia também: * De queridinho a troxinha, a submissão da política econômica à financeirização (Revista IHU On-line).
______________________________

Nenhum comentário: