segunda-feira, 3 de setembro de 2018

O Brasil que resiste

Entidades ligadas à CNBB lançam manifesto por resistência democrática

No documento, organismos e pastorais sociais abordam a situação da política brasileira, os reflexos da crise nas eleições de 2018 e a vida da população nos próximos anos

O Brasil do golpe: aumento da pobreza extrema e o pior
 ciclo econômico em 100 anos
São Paulo (via Rede Brasil Atual) O manifesto Resistência Democrática, unidos pela justiça e paz, assinado na última terça-feira (14) por 11 pastorais e organismos sociais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), traz uma extensa análise da política nacional desde 2016. Entre os temas abordados no documento, destaca-se o pagamento da dívida pública e os ganhos dos bancos privados.
“É preciso chamar a atenção para o momento político que estamos vivendo em relação aos pobres, a soberania, a democracia nacional, com reflexo no processo eleitoral. Por isso, a gente traz algumas questões que são estruturantes, como a questão da dívida pública, que chega a 45% do orçamento da União, destinado a pagamento de juros e amortizações da dívida pública, e no que isto implica no processo de desenvolvimento, na democracia. Com isso, a gente aponta, por exemplo, que aqueles que recebem esses juros da dívida pública, juntando Itaú, Bradesco e Santander, tiveram em 2017 um lucro de R$ 53 bilhões”, critica o coordenador nacional da Pastoral Operária, Jardel Lopes (continue a leitura).

Leituras sugeridas: * O momento exige solidariedade com os empobrecidos, oprimidos e marginalizados (Pensar Piauí) * Brasileiros abraçam a profissão da desesperança (Poder 360) * O futuro não ia ser assim: pobreza extrema volta a crescer no Brasil (El País) * Governo Temer termina marcado pelo pior ciclo em cem anos (Folha) * Voltamos a ter presos políticos, diz Zafforini, juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Fórum).
_______________________________

Nenhum comentário: