domingo, 21 de outubro de 2018

Parlamento europeu adverte para o risco internacional da eleição de Bolsonaro

Repúdio a Bolsonaro ganha dimensões globais e sua
eventual eleição ameaça estabilidade política em
todo o mundo

Deputados europeus mobilizam-se em defesa da democracia no Brasil

Rachel Sterman
Bruxelas


Na última terça-feira (16), os eurodeputados Marisa Matias,; Xavier Benito Ziluaga, Julie Ward, Ramon Tremosa I Balcells, Francisco Assis, Roberto Gualtieri, Ernest Urtasun e Ana Miranda, representantes de diversas correntes partidárias, reuniram-se no Parlamento Europeu em ato público de apoio à democracia e ao Estado de Direito no Brasil. A conferência de caráter apartidário, teve como motivo os recentes discursos de violência e antidemocráticos proferidos pelo candidato à presidência Jair Bolsonaro.

O ato foi promovido pelo organismo internacional apartidário UNPO (Unrepresented Nations and Peoples Organization, em tradução livre: Organização das Nações e Povos Não Representados), com sede em Bruxelas, mas de atuação global na área de direitos humanos. Durante o encontro, os parlamentares reiteraram o impacto que a candidatura de Bolsonaro teria para quinta maior democracia do mundo, e suas consequências em âmbito internacional. Francisco Assis, do Partido Socialista português e líder da delegação de relações com o Mercosul no Parlamento Europeu, foi enfático: “Bolsonaro não é Hitler, não é Mussolini, não é sequer Franco. Em bom rigor, se quisermos ater-nos a um debate intelectual de natureza escolástica, ele não é bem a representação do fascismo. Há nele, contudo, na dimensão medíocre que a sua pobre personalidade proporciona, tudo aquilo de que a tradição fascista historicamente se alimentou. O anti-iluminismo, a exaltação sumária da unicidade nacional, a apologia da violência, o culto irracional do chefe. Bolsonaro é pouco mais do que um analfabeto ideológico com todos os perigos que isso mesmo encerra”.


O documento circulará pelo Parlamento Europeu até a próxima segunda-feira(22) e será publicado com as adesões finais no site da UNPO. Assista ao vídeo do evento: https://www.facebook.com/UNPOintl/videos/465435867281825/
______________________________

Rachel Sterman, jornalista formada na PUC-SP, trabalhou na Folha e na Veja Rio. Produtora na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e do festival de documentários É tudo verdade. Vive em Barcelona desde 2015, onde está envolvida com diversas atividades na área da cobertura da imprensa.
______________________________

Outras matérias do exterior sobre repercussão da possibilidade de eleição de Bolsonaro: * Democratas têm dever histórico no Brasil (DW) * Intelectuais alemães alertam para riscos no Brasil (DW) * New York Times: escolha triste no Brasil (via GGN) * The Economist: Haddad é o único que pode impedir Bolsonaro (GGN).
______________________________

Nenhum comentário: