segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

A rede dos interesses privados que embaralhou a redemocratização

O Estado privatizado deu nisso
A matéria do El País é antiga, quase de um ano atrás, mas não perdeu sua atualíssima atualidade: a teia em que se constituiu - e ainda se constitui - o sistema de corrupção no Brasil, uma das causas das dificuldades que o processo de redemocratização enfrentou. Ao contrário do título do filme de Padilha - O Mecanismo - a ilustração acima mostra mais um organismo celular que foi sistematicamente alimentado pelo atraso da nossa representação política e pelos indícios claros de que serviu aos interesses do capital e da burocracia estatal. 

Nada indica que isso vai mudar sob o tacão da sedução fascista bolsonariana, como já se pode perceber nesses primeiros 30 dias de governo. Seja como for, a denúncia desse esquema, tal como o faz o jornal espanhol, não pode é servir para a ideologia conservadora que confunde propositadamente o enxugamento do Estado com o combate à corrupção. Penso que é oposto o que ocorre: a recuperação do seu papel é que permite vislumbrar a sua destinação pública e social. Brumadinho que o diga. Leia aqui o texto integral da reportagem do El País.

Atualização: * Empresa privada pode ser tão ruim quanto a empresa estatal, diz professor inglês (Uol) * Privatização pode estar por trás do rompimento das barragens (GGN).

Leia mais: * Ministro de Bolsonaro criou candidatos laranjas para desviar recursos da eleição (Folha) * Filho vai morar em apartamento que Bolsonaro disse ter posto à venda (Folha) * Ricardo Salles, ministro de Bolsonaro adulterou mapa ambiental para favorecer mineradoras (The Intercept)
______________________________

Nenhum comentário: