quinta-feira, 18 de julho de 2019

Para Castells, Brasil vive a ditadura orwelliana: ocupar as mentes

Manuel Castells
O Brasil vive, desde a eleição de Jair Bolsonaro, um novo tipo de ditadura. Nela, “as instituições estão preservadas, mas se manipulam tanto por poderes econômicos, quanto por poderes ideológicos.” Como os regimes autoritários já não ocorrem mais com golpes e tanques nas ruas, o que temos é uma “ditadura Orwelliana, de ocupar as mentes.” É o que afirma o pensador Manuel Castells em entrevista divulgada pelo jornal O Globo nesta terça (17).
“O Brasil, nesse momento, perdeu a influência da Igreja Católica que foi muito tradicional durante muito tempo na História, mas ganhou algo muito pior que são as igrejas evangélicas, para quem claramente não importa a ciência e a educação, porque quanto mais educadas e informadas estejam as pessoas, mais capacidade terão de resistir à doutrinação. O mesmo acontece com o presidente (Bolsonaro) e com o regime que está instalando. Não se pode fazer uma ditadura antiga, que se imponha com o exército, mas uma ditadura Orwelliana, de ocupar as mentes”, disse (leia aqui a matéria de O Globo, via GGN)
Leia também: * Inebriados pelo poder, militares avalizam liquidação do Brasil (Carta CapitalSociedade está sob anestesia (Alessandro Molon, Folha) * A necropolítica como regime de governo (Débora Diniz, IHU) * A fraqueza da ilusão democrática (Jones Manuel, Boitempo) * Divino Amor: a hipocrisia do Brasil evangélico de Bolsonaro (Intercept).
______________________________

Nenhum comentário: