terça-feira, 27 de abril de 2021

Sem saída

Pobreza extrema é o custo do desmonte do Estado brasileiro 

O projeto da burguesia golpista para o Brasil é o que se vê na foto: a proteção dos interesses privados dos empresários é paga com o custo da pobreza extrema dos brasileiros

Curiosamente, uma das melhores análises feitas sobre o beco sem saída em que se encontra a economia brasileira foi publicada hoje no Estadão e leva assinatura do professor Felipe Salto. Digo curiosamente porque os textos que falam sobre o assunto no jornal dos Mesquita invariavelmente defendem a política de uma suposta austeridade orçamentária - o teto dos gastos - como o caminho da retomada dos investimentos. Em resumo: quanto menor o tamanho do Estado maior será o impulso 'natural' do mercado na dinamização da economia.

Para Felipe Salto, no entanto, a redução dos gastos públicos num país de fraco nível de acumulação e reduzidos índices de inovação e de produtividade, como acontece no Brasil, a desmontagem do Estado tem o efeito oposto: a recessão generalizada que se abate sobre o mercado interno e que fragiliza toda a economia. Não dá para escapar da frase feita: o remédio mata o doente. Vale a pena ler o artigo de Salto:  O desmonte do Estado brasileiro.

Leia ainda: * O retorno da fome ao Brasil está no centro de interesses econômicos e políticos (IHU) * Um pé de cabra para resgatar o Brasil (Outras Palavras).

Nenhum comentário: