sexta-feira, 13 de agosto de 2021

A decretação da pobreza

Bolsonaro e empresários mantém a pobreza como projeto de governo

A pobreza estrutural ganha a consagração de uma política destinada ao seu aprofundamento: nova investida contra os direitos sociais na área trabalhista e na assistência às famílias de baixa renda mostra a face perversa do capitalismo brasileiro
A derrota de Bolsonaro na Câmara dos Deputados na decisão sobre o voto impresso pode ter fragilizado momentaneamente os instrumentos de sustentação parlamentar do governo, mas não alterou a essência das iniciativas anti populares que são a marca do projeto de dominação da burguesia brasileira que vem sendo implementado desde a conspiração de 2016: a liquidação da soberania nacional e a revogação gradativa dos direitos sociais - tanto no âmbito trabalhista quanto no âmbito da concentração da renda. É a evidência da peculiaridade atrasada do modelo econômico nacional: a acumulação do capital às custas de um nível de exploração do trabalho que faria morrer de inveja os industrialistas do século XIX. 

É isso o que se pode constatar pela análise de dois projetos de iniciativa de Bolsonaro que dominaram a cena midiática nem bem havia esfriado o fiasco em que se transformou a tentativa de fraudar o sistema eleitoral: a 'mini' reforma trabalhista e  a substituição do Bolsa Família pelo Auxílio Brasil. Nos dois casos - com se pode perceber nas análises postadas abaixo - misturam-se os efeitos da propaganda política visivelmente eleitoreira presente nas promessas de geração de emprego e de redução da pobreza com a natureza de ambas as iniciativas: o aumento dos níveis de expropriação da riqueza gerada pelo trabalho e a desarticulação da ajuda às famílias de baixa renda. São dois processos simultâneos de recomposição da base social de apoio ao fascismo - aquele que adula o capital e aquele que sinaliza para a mitigação das tensões sociais. São duas narrativas que me parecem insuficientes para reduzir as tensões que se acumulam com a persistência da crise econômica e social.

Nenhum comentário: