Problemas contemporâneos


Lasciate ogni speranza ó voi ch'entrate

Dante arriva alla porta dell'inferno. Legge le terribili parole che vi sono scritte: "Lasciate ogni speranza ó voi ch'entrate".  Ammoniscono terribilmente quelle parole. Il poeta si rende conto che sta per entrare all'inferno la sua paura aumenta. Virgilio lo prende per mano e lo guida attraverso la terribile stratta
È la sera di venerdì 8 aprile (ou 25 marzo) del 1300
(Dante Alighieri,  La Divina Commedia, Inferno Canto III)

Esta vida, como você a está vivendo e já viveu, você terá de viver mais uma vez e por incontáveis vezes

O maior dos pesos – E se um dia, ou uma noite, um demônio lhe aparecesse furtivamente em sua mais desolada solidão e dissesse: “Esta vida, como você a está vivendo e já viveu, você terá de viver mais uma vez e por incontáveis vezes; e nada haverá de novo nela, mas cada dor e cada prazer e cada suspiro e pensamento, e tudo o que é inefavelmente grande e pequeno em sua vida, terão de lhe suceder novamente, tudo na mesma seqüência e ordem  – e assim também essa aranha e esse luar entre as árvores, e também esse instante e eu mesmo. A perene ampulheta do existir será sempre virada novamente – e você com ela, partícula de poeira!”.  – Você não se prostraria e rangeria os dentes e amaldiçoaria o demônio que assim falou? Ou você já experimentou um instante imenso, no qual lhe responderia: “Você é um deus e jamais ouvi coisa tão divina!”. Se esse pensamento tomasse conta de você, tal como você é, ele o transformaria e o esmagaria talvez; a questão em tudo e em cada coisa, “Você quer isso mais uma vez e por incontáveis vezes?‟, pesaria sobre os seus atos como o maior dos pesos! Ou o quanto você teria de estar bem consigo mesmo e com a vida, para não desejar nadaalém dessa última, eterna confirmação e chancela” – (Friedrich Nietzsche, Gaia Ciência, 341)
______________________________

Textos

Theodoro Adorno 


A perda da subjetividade pelo indivíduo se dá segundo as exigências tecnológicas do processo de produção, afetando suas necessidades mais naturais; desejos afetos e pensamento, interferindo na forma como ele vê e interpreta o mundo. A capacidade psíquica do indivíduo se converte em mercadoria de valor, transformando-se a si mesmo em coisa, em equipamento. O Eu coloca o homem como um todo a serviço como um aparelho seu. O trabalho assalariado formou as massas dos tempos modernos, criou o trabalhador. Em geral, o vivente não é mais o substrato biológico, mas também a forma do processo social. Na economia moderna, tudo que é individuado funciona como mero agente da lei de valor. As relações humanas sofreram alterações e forçosamente tiveram que se adequar a novos conceitos de valores. Segundo Adorno, a própria significação de casamento, sai do plano do sagrado, da sublimação do amor, para o ardil da auto-conservação. O casamento como comunhão de interesses significa inegavelmente uma humilhação dos interessados, e o que há de pérfido na maneira como o mundo está arranjado é que ninguém, mesmo sabendo disso, pode escapar de tal humilhação. A relação de troca, à qual o amar opõe uma resistência parcial ao longo da burguesia, absorveu-o completamente; a última imediatidade cai vítima do distanciamento em que os contratantes se encontram de todos os demais. O próprio amor esfria pelo valor que o Eu atribui a si mesmo, portanto o amor não é mais suficiente para unir as pessoas, mas sim a necessidade de autopreservação imposta pela sociedade capitalista, fazendo com que o indivíduo relegue ao segundo plano sua subjetividade, passando a perceber os objetos reais e suas qualidades utilizáveis, recalcando seus impulsos. À medida que o particular cedeu seu espaço ao coletivo, o indivíduo não é mais capaz de ter um impulso que não possa mais designar como exemplo desta ou daquela constelação publicamente reconhecida. Uma identificação recebida do exterior e processada fora da dinâmica própria do indivíduo, acaba por abolir a consciência genuína da emoção. Os danos que a ordem capitalista trás, sucumbem com a subjetividade e o caráter individual do homem moderno.

______________________________

O sonho americano por um fio
______________________________

➤ Projeto PUC: 1968, a Utopia nas ruas 50 anos depois
______________________________

______________________________


No capitalismo só não há espaço para dois entes: o ser humano e a natureza (IHU)

______________________________



Não deixe de ler: O império dos monopólios. Artigo de Joseph Stiglitz (IHU)
______________________________

Entrevista com Zygmunt Bauman
 (Fronteiras do Pensamento, CPFL)

Mais de Bauman: * A utopia foi privatizada (Aliás, Estadão, 18/2/17) * Bauman: assim chegamos à Retropia (Outras Palavras) * Somos líquidos ou viscosos? (IHU)
______________________________



Quem compõe os grupos de ódio que apoiam Trump (El PaísTrump é "politicamente inapto, moralmente estéril e impróprio de temperamento para ocupar o cargo" (The Economist). Leia a matéria do Estadão

O novo tipo de golpe de estado: um seriado em três temporadas (El País)
______________________________
Neoliberalismo, nascimento e modus operandi
(via Giovanna Colossi, Puc)
______________________________

Antidiplomacia de Trump eleva a instabilidade mundial (El País)
______________________________

Cúpla do G7 termina com troca de farpas (DW), mas cresce nos EUA apoio à arrogância do império:
Trump surfa na onda nacionalista dos Estados Unidos (El País) * Trump ameaça a ordem comercial global (Estadão)

* Seitas buscam pessoas jovens, idealistas e inconformadas (El País)

* A sobrevivência dos mais ricos e como tramam abandonar o barco (IHU)

* A bomba demográfica africana (El País)

* Inteligência artificial e pós-humanismo (IHU)

* O comum, refém do capital (IHU)

* Estamos em um momento muito grave (Henry Kissinger, Valor)

* Está mais difícil zerar a pobreza (Valor)

* Para entender a economia hoje (resenha Valor)

* O museu de desastres químicos da Dupont segue espalhando seu veneno nos EUA (The Intercept)

* Elevador social está parado em países ricos e pobres, segundo OCDE (Carta Capital)

Aprender a viver no caos pode não ser tão nocivo (Manuel Castells, Folha

Clássico de Ray Bradbury tem nova versão na HBO

* Sobre o estranho comportamento das multidões (Outras Palavras)

A arte da paciência (El País).

* Literatura: a liberdade contra o eu (Outras Palavras)

* Para Trump, o Estado é como um chicote para castigar diferentes grupos sociais. Entrevista com Richard Sennett (IHU)

* Franco Berardi: "o pensamento crítico morreu" (O Jornal Econômico)

* Wallerstein: o G-7, quem diria, acabou no Canadá (Outras Palavras)

Renda básica universal: a última fronteira do Estado do Bem-Estar Social (El País)

* Bomba da dívida mundial ameaça explodir (El País)

* A organização capitalista do trabalho protegia o poder ao lucro (IHU)

* Trump retira ditador da Coreia do isolamento em degelo histórico cheio de dúvidas (El País)

Aprender a viver no caos pode não ser tão nocivo (Manuel Castells, Folha)

* A sociedade dos empregos de merda (Outras Palavras)

* Junho, Ano V (Piauí)

A apropriação privada do 'general intelect'. As mudanças na lógica da acumulação capitalista precisam de uma crítica a partir da esquerda (IHU)

Habermas: não pode haver intelectuais sem leitores (El País)

* A atualidade ide Fahrenheit 451 (Folha)

* Embaixador dos EUA defende guinada conservadora na Europa (DW)

* Ciclo progressista chegou ao fim e está em crescimento uma nova direita (IHU)

* O sionismo na esquerda e a domesticação da causa palestina (Sul 21)

* Como transformar as leis do Trabalho no século XXI (Outras Palavras)

* A questão nacional: o desafio maior dos progressistas (IHU)

* As microcasas no Vietnã: 3 pessoas por m2 (Estadão)

* Mais Sêneca e menos ansiolíticos (El País)

* Vaticano divulgará documento sobre a moralidade do sistema financeiro global (IHU)

* Giorgio Agamben: "O estado de exceção se torno norma" (El País)

* Os descaminhos da globalização (Beluzzo, Carta Capital)

* Mundo vive a pior crise humanitária desde 1945 (Veja)

* A democracia na crise da meia-idade (Piauí)

Financismo: ditadura sem máscara (Outras Palavras)

* Neoludismo: desconectar para encontrar (Outras Palavras)

* Facebook e extrema direita: seremos cúmplices (Outras Palavras)

* Haverá proteção contra o capitalismo de vigilância (Outras Palavras)

* Vivemos no mundo da servidão por dívida (The Intercept)

* Depressão social (especial UOL)

* O marketing enganoso dos ultraprocessados (IHU)

* O que é neurocapitalismo e por que estamos vivendo nele? (IHU)

Maio de 1968: convite ao debate (Outras Palavras)

* Será que as redes sociais estão substituindo os intelectuais? (Ilustríssima, Folha)

* Distopias - será que estamos mergulhados em uma? (Universidade Livre Pampédia)

* Vivemos no mundo da servidão por dívidas (David Harvey, The Intercept)

* Do "livre" mercado às grandes ditaduras (Outras Palavras)

* Davos admite que crise social ameaça sistema (Estadão)

* É preciso tirar os véus da nossa época (Valor)

* A agonia de um modelo social (Manuel Castells, Valor Econômico)

* Guerra Híbrida: a nova guerra do século XXI no Brasil (Pepe Escobar, Diálogos do Sul)

* Da sociedade disciplinar à tirania do gozo obrigatório (Outras Palavras)

* Distopia - aqui e agora (Nuno Ramos, Outras Palavras)

*  O efeito Dunning Kruger: por que as pessoas falam sem nenhum conhecimento (El País).

*  Não estávamos preparados para descobrir todo esse subconsciente repugnante (El País

* Adeus ao consumismo (Ignacio Ramonet, Outras Palavras)

O novo Palácio de Inverno são os Bancos Centrais (Antonio Negri, Outras Palavras)

Renda da Cidadania e seu viés anti-capitalista (Philippe Van Parijs, Outras Palavras)

* 68 acabou, o mundo mudou (entrevista com Danie; Cohn-Bendit, Valor)

* A nova era dourada das distopias (El País)

* Mundo é menos globalizado do que se pensa (Robert Salomon, NYU, Valor)

* Em busca de trabalhadores na Alemanha, a terra do pleno emprego (El País)

* E os pobres sustentam o casino financeiro global (Outras Palavras)

* A década horrível da democracia (El País)

* Fortuna das famílias mais ricas do mundo cresce apesar da crise (Valor)

* Prisioneiros da era do presente remoto - fanatismo religioso (IHU)

* Neoliberalismo, assexualidade e desejo de morte (Outras Palavras)

* Agnes Heller: "A maldade mata, mas a razão leva a coisas terríveis" (El País)

* Na globalização, o medo nega o direito e o consumidor vence sobre o cidadão (IHU)

* O desafio de lutar contra a barbárie (Fernando Abrucio, Valor)

Betting on zero: o documentário que revela a fraude da Herbalife (El País)

* Argentina atrai 4 vezes mais dólares ao mercado do que à produção (El País)

* A alternativa ao neoliberalismo é romper com ele (IHU)

* A Economia Política e o grande salto atrás (Outras Palavras)

* Como resistir à Doutrina de Choque de Trump (Naomi Klein, The Intercept)

* Obama é pior que Bush (Noam Chomsky)

* Obsolescência programada, mal de todos (Outras Palavras)

* Quando a submissão capitalista está dentro de você (Outras Palavras)

* Pós-capitalismo na pós-modernidade (Ladislau Dawbor, Outras Palavras)

* Afinal, ainda é possível superar o capitalismo (Fábio Konder Comparato, GGN)

* O alerta do nacionalismo (Valor Econômico)

* E se o dinheiro não existisse (Alan Watts, vídeo)

* O fim do sonho americano: quando os filhos ganham menos que os pais (El País)


Neoliberalismo, ordem contestada (Perry Anderson, IHU)

* "Nós perdemos qualquer controle sobre os sistemas financeiros" (Dowbor, Carta Maior)

* A privatização do dinheiro, silenciosa e radical (Outras Palavras)

* Trump quer impor sanções unilaterais para abrir mercados (Valor)


* Alemanha não pode olhar impulsiva para a França (DW)


* As 7 vidas do neoliberalismo (Outras Mídias)


* A longa depressão do século XXI e a era da barbárie social (Giovanni Alves, Boitempo)


* Do iluminismo à guerra civil global (Pepe Escobar, Outras Palavras)


* Anticapitalismo, agora contras as mega-corporações (Outras Palavras)



* A Era TrumpA História cria monstros. Fora Trump! (clipping do blog).
__________

O caminho acidentado de uma nova era de nacionalismo (Estadão)

* E se a extrema direita chegar ao poder? (Carta Capital)

* Ruptura com a utopia do livre mercado (Valor)

Capitalismo inacabado sob um Lula "cordial" (Valor)

* Isto não é a crise, se chama Capitalismo (Vigência)


* Quem inventou a pós-verdade? (Outras Palavras)


* Nas finanças, origem do declínio norte-americano (Outras Palavras)

* Como o medo da morte torna as pessoas mais de direita (Nexo)

* Adeus ao centrismo: crise da economia mundial, caos sistêmico e a eleição de Trump (Carlos Eduardo Martins, Boitempo)

Brexit: uma página do blog com as principais notícias sobre o Brexit e a resistência popular no Reino Unido contra a saída da União Europeia

* Trump na presidência: clipping do blog

Impasses

➤ Ideias para matar o tempo enquanto a democracia não volta:

O neoliberalismo e os normalopatas (Christian Bunker, Boitempo)

A memética e a era da pós-verdade (Ivana Bentes, Cult).

 
 Dez passos para entender didaticamente como os bancos nos empurram ladeira abaixo (Outras Palavras)


 Ladislau Dowbor: estamos destruindo o mundo por uma minoria... (Opera Mundi)

➤ Estagnação crônica e ressurgimento das forças fascistas (GGN)


➤ Dívida, o novo pesadelo (Outras Palavras)


➤ Wallerstein: como deter a virada à direita (Outras Palavras)


➤ Stieglitz: ★ O fenômeno da direita é reflexo da desigualdade (El País).

➤ Minima Moralia: * Theodor Adorno e o triunfo da ignorância (Outras Palavras).

➤ Thomas Piketty: * Nacionalismo e xenofobia são a resposta mais fácil diante das desigualdades (El País).

➤ Reportagem multimídia estimula a ilusão de que todos podem ser capitalistas: * Capital para todos (Uol).


➤ Vargas Llosa conta a tragédia dos palestinos. Não deixe de ler as matérias publicadas no El País: * A lenta morte de Silwan * As aldeias condenadas * As crianças terríveis.

➤ Retrocesso: * O Brexit e a ameaça à União Europeia (resenha do noticiário, do Blog).

➤ Thomas Piketty: * Nacionalismo e xenofobia são a resposta mais fácil diante das desigualdades (El País).


* Votar em Donald Trump: militantes de la estupidez (Jot Down)

➤ Para onde nos joga o capitalismo neoliberal: * Exaustos-e-correndo-e-dopados (Eliane Brum, El País) * As luzes do mercado se apagam: as falsas promessas do neoliberalismo ao término de uma século de crise (Robert Kurz, Estudos Avançados) * Como as corporações cercam a democracia (Ladislau Dawbor, Outras Palavras).

* Uma página do blog com as principais notícias sobre o Brexit e a resistência popular no Reino Unido contra a saída da União Europeia.

* A volta da barbárie (Revista IHU

* América do Sul, resistência ao ultraliberalismo (Outras Mídias

* O esgotamento da democracia a 61% (Christian Dunker).

O capitalismo do 1% (Boulos) 

* 1% da população mundial concentra metade de toda a riqueza do planeta (do insuspeito Credit Suisse via El Pais) 

* Os 28 bancos que controlam o dinheiro do mundo.

Guerra ao filantrocapitalismo (El País) 

 * Capitalismo e democracia, caminhos opostos (do blog).

* Fuga e sobrevivência: o drama dos refugiados 

* Em Cuba, Papa Francisco adverte contra a ambição pessoal e o individualismo (Folha)

* O diálogo entre a razão e a fé: leia aqui a íntegra da discussão entre Ratzinger (Bento XVI) e Jürgen Habermas sobre a Dialética da Secularização. E aqui o resumo das ideias de ambos analisadas e discutidas pelo Instituto Humanitas, da Unisinos

* Leia também sobre o mesmo assunto o paper de Condé e Testa, da PUC-SP: A fé de Habermas e a descrença de Ratzinger


* O fascismo: mais do que nunca, um desejo presente. Frederico Feitoza (revista Esferas, UCB)  

Imperialismo, capitalismo, crise

* Um novo tsunami financeiro global a caminho (Boitempo)

* O sombrio legado da austeridade (Paul Krugman)

* A cara de pau de Tony Blair: Ex-primeiro ministro pede desculpas por erros na invasão do Iraque em 2003 (Folha)


➤ Na ponta do lápis: 1% da população mundial concentra metade de toda a riqueza do planeta (do insuspeito Credit Suisse via El Pais).

➤ Vitoriosos da globalização (a concentração da renda persiste, Valor)

➤ O capitalismo não foi feito nem para a democracia nem para o bem-estar: ★ As cortes que protegem o capital (Outras Palavras) ★ A ideologia é a arma crucial desse sistema (Zizek) ★ A vida acelerada do capitalismo digital (Folha) ★  Financeirização: o ácido que corrói a democracia (IHU) ★ A morte da democracia e a farsa neoliberal da neutralidade da moeda (IHU) ★ Contra o cinismo, expressão cultural do sistema (Outras Palavras).

➤ Desmontando os argumentos do neoliberalismo: ★ Contra Hayek, o incontornável Polanyi (Boitempo) ★ Lições da crise econômica (El País) ★ Um olhar sobre o buraco negro das finanças globais (resenha de Ladislau Dawbor) ★ Paul Krugman: 1. Políticas atuais agravarão a crise 2. A dívida é boaComo os bancos tornaram-se ameaça global (Stiglitz) ★ Sob o espectro de uma nova crise financeira (Jerome Roos).

__________


* Varoufakis desafia a ditadura dos mercados (Outras Palavras)

* Os 28 bancos que controlam a economia mundial (do blog)

* Contra o cinismo, expressão cultural do sistema (Outras Palavras)

* Como os bancos tornaram-se ameaça global (Stiglitz).

* Sob o espectro de uma nova crise financeira (Jerome Roos).

* Foucault: uma nova imaginação política (IHU).

* Teorizando o mundo contemporâneo a partir de Harvey, Arrighi e Brenner (Boitempo).

* A fraudulenta superioridade dos economistas (El País).

* Corrupção no condomínio: a política reduzida à gestão (Pedro Veríssimo)


* França vai multar em até R$ 1 mil empresas que fizerem produtos programados para quebrar (Opera Mundi)

* A História mostra o papel agregador das crises (Valor)

A racionalidade taylorista hoje (Ludmila Abílio)

Plutocratas contra a democracia (Krugman)


* Rancière: "A tradição liberal é antidemocrática"

A democracia na História (Boaventura de Sousa Santos)

É preciso reinventar a democracia para o século XXI (Chignola)

Há razões para não podermos fazer isso? (Nuno R. de Almeida)

* Teorizando o mundo contemporâneo a partir de Harvey, Arrighi e Brenner (Boitempo)

* Limites da democracia: entrevista com Jacques Rancière

* O roubo do século. Especial Le Monde sobre a crise de 2008 e o papel dos bancos.


Disruption: um momento único na História (com legendas - é só configurar)

* A crise do capitalismo (vídeo com legendas em português)


* Documentário sobre a ida de Pierre Bourdieu ao encontro do povo, as lições que o sociólogo aprendeu e ensinou: La sociologie est un sport de combat.


* Leia também o artigo de Ruy Braga sobre o assunto (material do blog da Boitempo).


* A possível extinção do Estado de Israel (Boaventura de S. Santos, Opera Mundi)






* Espaço vital e mortal (Jânio de Freitas)



A miragem mexicana, artigo de José Luís Fiori publicado em Outras Palavras: política neoliberal faz crescer a pobreza absoluta no país de Zapata.

* A política moderna não tem mais sentido (entrevista com M. Maffesoli, IHU)

Rumo ao estado de controle global? (Outras Palavras)



Somos todos vigiados. Ignacio Ramonet

A pirâmide global da riqueza (EcoDebate)

* A esquerda em discussão. Leia os artigos de Michel Rocard (Mais além com a esquerda) e Jean Daniel (Em defesa de um reformismo radical) publicados em la fatoria

Entrevista de Eric Hobsbawm à New Left Review (publicada na Folha de S. Paulo)


* A nova bíblia de Tio Sam. A nova vulgata do neoliberalismo. Leia aqui o texto de Pierre Bourdieu e Loic Wacquant publicado no Le Monde.


A imaginação pós-capitalista. David Harvey, via Outras Palavras

O potencial de destruição do fascismo financeiro. Artigo de Boaventura Sousa Santos publicado em Carta Maior

* Nacionalismo e desenvolvimento econômico. Primeira e segunda partes do artigo publicado por José Luis Fiori em Outras Palavras

Fernando Meirelles: "nossos sonhos não cabem no capitalismo". Entrevista concedida ao site Outras Palavras


Israel conspira contra si mesmo. Artigo de Robert Fisk (Outras Palavras)

A tensão marca o inicio del diálogo entre palestinos e israelies (El País)

Não nos centremos nos colonos (Presseurop)

* Sabra e Chatila. Lembram? Passaram-se 30 anos do massacre praticado por tropas israelenses contra acampamentos de refugiados civis no Líbano. Leia aqui (via Carta Maior)

________________________________________

A Modernidade e a Teoria Geral da Relatividade: 96 anos (Biblioteca Diplô)
______________________________
Textos importantes sobre a Europa



Habermas e a crise na Europa

Jürgen Habermas está farto. O filósofo tem feito tudo o que pode para chamar a atenção para o que entende ser o fim do ideal europeu. Espera poder ajudar a salvá-lo – de políticos ineptos e das forças obscuras do mercado financeiro. Leia aqui


* Pensador alemão relança debate sobre democracia e eleva o nível das discussões sobre a crise no velho continente. Leia aqui.

Um artigo de Habermas sobre a concessão do Prêmio Nobel à União Europeia (La Repubblica)

A Europa moderna caracteriza-se pela noção de crise. Entrevista com André Gkucksmann ao Der Spiegel (via Presseurop)

* GréciaRegressaremos à Idade Média se não mudarmos, diz o Daily Telegraph

* A II Guerra ainda lateja entre os europeus. Acompanhe aqui o que ronda os espíritos de ingleses, alemães e franceses no impasse da crise

* Seja como for, o Der Spiegel arrisca a provocação: a Alemanha acabou vencendo aqueles que a teriam derrotado em 1945? 

* São poucas as perspectivas de mudanças: dirigentes europeus são crias do Goldman Sachs. É o que se chama de pensamento único


* Tecnocratas podem ser a saída. Será? É a discussão proposta pelo The Guardian


* E na Espanha, o líder do PP (partido conservador que provavelmente vencerá as eleições no próximo dia 20 de novembro), afirma que vai tratar a crise econômica como os EUA trataram a guerra do Golfo. Leia aqui, na matéria do El País, o que esse imbecil quis dizer com isso



______________________________

Das revoltas a uma nova política. Tony Negri e Michael Hardt.

Alguma coisa está fora da ordem. Ignacio Ramonet.

Acordando do sonho. Slavoj Zizek.

______________________________


* Immanuel Wallerstein:  O papel dos Estados Unidos no mundo hoje (Carta Maior) e Quem substituirá a Social Democracia? (Outras Palavras)

Análise de Immanuel Wallerstein sobre o movimento internacional de oposição ao capitalismo financeiro.
______________________________

* Hobsbawm fala sobre o 11 de setembro e suas consequências no mundo contemporâneo:  leia a entrevista com o historiador inglês publicada no Estadão (via Vermelho)

______________________________

Mais um passo, reportagem de Gershom Gorenberg.





* E a pior herança dos últimos 10 anos: a intolerância nas relações diplomáticas e a aversão crescente aos Estados Unidos. Leia o que pensam David Brooks e François Bernard Huyghe (via Carta Maior).


* Saqueadores, uni-vos. Artigo de Slavoj Zizek sobre os tumultos em Londres. Para ele, as manifestações ocorridas na capital britânica mostram a força da ideologia do consumo (via Outras Palavras).
______________________________

Você conhece a história da British Petroleum?
* "A BP não representa nenhuma exceção entre as empresas petroleiras nem entre as grandes corporações. Sua história, além do vazamento de petróleo no Golfo do México, constitui um exemplo de enorme poder e impunidade". Artigo de Julie Wark, do SinPermiso, publicado em Carta Maior. Leia aqui.
_______________________________

* Na France Télécom, condições de trabalho levam ao suicídio. Artigo de Pino Ferraris (la factoria).

_______________________________



A nova máquina de guerra dos Estados Unidos. Por Jack A. Smith, do Asia Times Online (publicado em Outras palavras)


Quem pode deter Israel? Artigo de Roberto Fisk, do The Independent, via Outras Palavras


* Leia também o texto de Antonio Martins (Outras palavras) Por que Washington rejeita a paz


* Quanto tempo ainda vai durar a hegemonia dos Estados Unidos? Leia a entrevista que Fábio de Castro, da Agência Fapesp, fez com o Prof. Tullo Vigevani, da Unesp


Obama versus Mancha Negra, artigo de Ivan Lessa (BBC Brasil)
______________________________

Outros textos em Problemas Contemporâneos Globais

* Arquivo Brasil, com análises e fragmentos do noticiário sobre as dificuldades do país em meio à crise econômica internacional
______________________________

* Leia também as análises sobre política e economia aqui

* Acompanhe ainda as artimanhas das elites no mundo inteiro (em especial no Brasil) para desarticular os direitos sociais através da extinção do Estado do Bem-Estar Social

______________________________