sábado, 23 de fevereiro de 2019

A Previdência de Bolsonaro: velha e injusta

Artigo de Luiz Gonzaga Beluzzo (Carta Capital via IHU)
mostra que mudanças nascem superadas

Reforma da Previdência apresentada por Bolsonaro é anacrônica

Na embolada do (des)ajuste promovido pelos paladinos do conservadorismo econômico, a inteligência brasileira, ou a falta dela, está a se afogar nas esperanças angustiadas da reforma

Entre tantas propriedades milagrosas da Reforma, a mais proclamada é a volta do crescimento vigoroso amparada nas expectativas favoráveis dos mercados, embevecidos com a coragem e presteza do novo governo. Finalmente, dizem, um governo empenhado em exorcizar definitivamente o demônio do
 desequilíbrio fiscal

Os desconfiados que ainda deambulam nos vazios das certezas indagam de seu bom senso se a badalada Reforma tem mesmo as virtudes apregoadas 
urbe et orbi. Não há como negar os propósitos de maior equidade das reformas propostas, à exceção dos golpes assentados nos miseráveis amparados pelos Benefícios de Prestação Continuada e nos trabalhadores rurais (continue a leitura).

Atualizações: * Proposta é boa, diz presidente do Itaú (Estadão) * Previdência pede mais Lula que Stroessner (Valor) * Na cama com o inimigo (Outras Palavras) *  A cruel demolição da previdência social (Unisinos) * O jabuti de Paulo Guedes (Estadão via J.Pedriali) * Reforma mostra que Guedes é keynesiano (Carta Capital) * Reforma da Previdência ignora o descompasso entre vida longa e vida saudável (Folha) * Reforma tira a Constituição reajuste de aposentadoria e pensão pela inflação (Folha) * A Previdência e o mito da externalidade (O Globo)

______________________________

Nenhum comentário: