terça-feira, 19 de março de 2019

Brexit: contagem regressiva para o caos

Esfacelamento da Europa: a verdadeira motivação
da Inglaterra e dos Estados Unidos com o Brexit
Considero a União Europeia a construção mais inteligente do capitalismo em toda a sua história: uma arquitetura econômica, política e cultural que conseguiu, ainda que parcialmente, conter o desequilíbrio existente no Velho Continente desde sempre, mas notadamente depois da II Guerra, quando o ritmo da recuperação econômica tendia a provocar uma disputa nacionalista insana - tal como já havia ocorrido no final do século XIX e na primeira metade do século XX.

A UE, no entanto, sempre colocou em xeque as forças conservadoras globais, especialmente os EUA, que viam a comunidade de integração na Europa como uma ameaça ao seu poder global, ainda que os próprios europeus não pudessem prescindir do apoio estadunidense em sua economia. O fato, no entanto, de que pudesse haver uma vasta área do globo que se ampliou (de 6 para 25 países desde 1957) sob o marco do Estado do Bem-Estar Social e da regulação integradora, já era por si um elemento incômodo desde a Guerra Fria.

Londres, cidade imensa e triste
Mario Vargas Llosa
Penso que o Brexit é o ponto culminante desse processo de desgaste a que os conservadores ingleses e estadunidenses vêm submetendo a Europa comunitária nos últimos anos, ainda que sob o risco de levar a economia mundial a uma crise sem precedentes. Dia 29 de março, por enquanto, é a data em que o desligamento da Inglaterra vai se consumar. Se isso de fato acontecer, no âmbito de outras tensões internacionais que marcam este início de 2019... pode ser o caos.

Sugiro estas leituras: * A desordem mundial abre uma nova era de incertezas (El País) * Qual o futuro do multilateralismo (DW) * A fatura de um Brexit sem acordo (El País) * Quanto pode nos custar o Brexit (Visão) * O triste papel da Inglaterra (do blog) * As luzes podem se apagar na Europa (do blog) * Em defesa da UE (do blog) * O Brexit e ameaça conservadora sobre a Europa (clipping do blog).

Atualização: * Presidente da Câmara proíbe terceira votação de acordo proposto por May (Opera Mundi) * Em Brexit, ligações perigosas entre a ficção e a realidade (Cinegnose) * Para Anthony Giddens, Brexit não é um simples caso de populismo (Valor) * Parlamento britânico veta qualquer Brexit sem acordo (Folha) * O que ocorre agora que o Parlamento britânico rejeitou de novo o acordo de Theresa May? (BBC) * Trabalhistas britânicos apoiam novo referendo sobre o Brexit (El País) * May cede e abre as portas para adiar data do Brexit (El País).
______________________________

Nenhum comentário: