segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

A lição que o Brasil esqueceu (ou que nunca aprendeu)

Falência da economia brasileira deve pouco à pandemia e muito à estupidez neoliberal

Cenário social desolador e economicamente depressivo foi meticulosamente construído pelos interesses privados que sequestraram o estado brasileiro depois do golpe do impeachment. Efeitos da pandemia agiram sobre um país vulnerável e desprotegido pela ação de políticas ultraconservadoras recessivas.

Aos poucos, vai se aproximando a hora da verdade para a economia brasileira, se é que ela já não chegou. Diante das evidências de uma catástrofe nunca imaginada nas dimensões atuais - recorde de desemprego e subemprego, explosão de preços, queda no nível da renda, desindustrialização, déficit público contido artificialmente pelas práticas recessivas de um governo sem rumo - os analistas ensaiam as explicações para o desastre, boa parte delas ainda inspiradas no mantra das reformas estruturais, um mito que a mídia e seus articulistas construíram e que ainda os embala: segundo eles, a economia brasileira só sairia da estagnação (na qual não se encontrava) se o tamanho do Estado fosse reduzido - tanto no plano normativo quanto no plano propriamente econômico-financeiro. 

Penso que foi a implementação desse modelo, em especial com o afastamento ilegal de Dilma Rousseff, a causa das dificuldades principais que o país passou a viver depois de 2016. Retração dos investimentos públicos, política monetária voltada à proteção da especulação financeira, reformas sociais (entre elas, além da Previdência, a da flexibilização dos direitos trabalhistas) de forte impacto na retração do mercado interno, tudo isso colaborou para que o capitalismo brasileiro aprofundasse o seu já ínfimo nível de acumulação. A recessão data desse período. Quando o covid-19 nos atingiu nos primeiros meses de 2020, as bases da economia brasileira - principalmente as bases formadas pelo mercado interno e pelo estoque nacional de recursos financeiros destinados a investimentos - essas bases já estavam profundamente fragilizadas (continue a leitura)

Nenhum comentário: