domingo, 12 de setembro de 2021

MBL pede carona

Neste domingo tem manifestação do MBL contra Bolsonaro. Quem vai?

Dá para participar
de um ato que diz que Lula e o genocida
são a mesma coisa? 

O isolamento de Bolsonaro vai deixando nossa agenda cheia, tão frequentes estão se tornando os movimentos pelo afastamento do genocida. É muito bom que isso aconteça já que a única chance real de que o impeachment desse bandido entre na pauta do Congresso é o estreitamento de suas bases sociais de apoio - fato que as manifestações podem consolidar.

Essa é a lógica e a dialética da política, mas... uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. As manifestações pelo afastamento de Bolsonaro se equivalem, têm o mesmo peso só porque têm o mesmo objetivo, ou são distintas pelas motivações que as animam? 

Em outras palavras: estamos diante de um movimento que pode se caracterizar por seu pluralismo ou as forças que o estimulam distinguem-se também por sua origem e propósitos? Na Diretas Já! a régua da participação era a da heterogeneidade: cabia todo mundo; na campanha pelo impeachment de Collor, quase a mesma cosia. 

Será assim também agora? Dá para esquecer quem foram os promotores dos atos deste domingo e que entre eles estão alguns dos responsáveis pelo golpe contra Dilma e pela eleição de Bolsonaro, ou dá para "tapar o nariz", deixar o passado nebuloso  e avançar todo mundo junto em torno de um objetivo imediato que é a queda do presidente-vigarista?

Nenhum comentário: