sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Cenas do colapso

O espectro que ronda o Brasil: a revolta social

Por comida, famílias ocupam supermercados em pelo menos 9 capitais (Uol)

"Famílias ocuparam hoje (16 de dezembro) hipermercados pelo Brasil em busca de alimentos. A ação organizada pelo MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) foi realizada simultaneamente em pelo menos nove capitais.

"Em Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, os atos aconteceram em supermercados. Em Fortaleza, foi ocupada a Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos do Ceará.

"Sob o nome de "Natal sem fome", o ato nacional reuniu centenas de pessoas em cada cidade, e contou com a presença de homens, mulheres e crianças, em denúncia contra a fome e em busca de cestas básicas. Nos estabelecimentos, os manifestantes exibiam faixas e repetiram palavras de ordem (continue a leitura no Uol)

Ao lado de empresários, na FIESP, Bolsonaro é o
 bobo da corte

Bolsonaro ignora a gravidade da crise e  festeja





Junto com os 650 mil mortos, Bolsonaro enterra a modernização e condena o Brasil a mais um século de atraso

O fantasma da desmodernização

Marcio Pochmann, Outras Palavras


Superar o atraso sempre foi um árduo desafio nacional. Mas agora, uma avalanche de dissolução arrasta tudo: das instituições de planejamento à Educação, Ciência e centros de pesquisa como o IBGE. Será possível revertê-la, em 2022?


"Algo profundamente inesperado acontece no Brasil: a desmodernização. Por decisão de sua elite dirigente, um ex-militar busca “implodir pontes” que asseguravam a continuidade do acesso ao futuro nacional, tornando o amanhã cada vez mais uma espécie de volta ao já conhecido passado arcaico.


"Da mesma forma, incríveis operações de “queima de caravelas” conduzidas por um astronauta acontecem no âmbito da ciência e tecnologia. Não bastasse isso, a destruição de um dos mais avançados sistemas de saúde pública do mundo avança por força de “especialistas”, seja em logística, seja no tratamento do coração.


"A educação não consegue se diferenciar do mesmo percurso, com o desmonte cada vez mais eficaz. Sob o comando de um pastor, o “rebanho educacional” desponta com o retorno aos tempos do livro de Jó. Antes dele, o Ministério da Educação já fora ocupado por economista fundamentalista no mercado financeiro, adestrado no que o ilustre Sérgio Motta definia por 'masturbação sociológica'" (continue a leitura).

Nenhum comentário: