quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Sem saída

Diferença de rendimentos entre pobres e ricos é recorde, aponta IBGE

Resultados da pesquisa divulgados pela Folha não deixam dúvidas sobre os efeitos das políticas econômicas neoliberais que destruíram o Estado do Bem Estar Social, acabaram com a proteção do trabalho e protegeram as grandes fortunas nas mãos de 1% da população brasileira: o receituário do golpe de 16 e da fraude eleitoral de 18
(a matéria é de Fernando Canzian e pode ser lida aqui)
______________________________

domingo, 13 de outubro de 2019

O golpe que vendeu o Brasil

Alcântara, acordo indigno

Roberto Amaral
Outras Palavras

Em dias, Congresso votará cessão da 
Base de Lançamentos aos EUA. 
Tratado bloqueia desenvolvimento tecnológico do país, impede-o de buscar certos parceiros permite que Washington arrmazene, no MA, até mesmo armas nucleares e químicas (continue a leitura)

É a sequência de medidas de natureza política e econômica que talvez explique, mais do que qualquer outra coisa, os objetivos estratégicos que os ultraliberais do mundo todo (sempre em conluio com seus testas-de-ferro brasileiros) traçaram para si no âmbito da grande conspiração contra a democracia nacional. Na essência, o propósito de ferir a soberania brasileira sob o argumento da inserção do país na globalização graças à simpatia que a total desregulamentação econômica, social e trabalhista despertaria nos investidores. Uma mentira deslavada - confirmada agora com a facada de Trump nas costas de seu boneco, Jair Bolsonaro, abandonando a pretensão de ingresso na OCDE. O Brasil é hoje uma nação abjeta...

______________________________

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

A revolução da sucata

A desindustrialização brasileira e a desigualdade social. Os 5% mais ricos detêm a mesma fatia de renda que 95% da população

Capitalismo brasileiro transformou-se num sistema parasitário e sucateado. Liderada por uma burguesia atrasada que vive às custas da exorbitante concentração da renda, a economia ncacional virou um apêndice dos interesses internacionais e uma bomba-relógio de tensões sociais pronta a explodir

Entrevista com Marcio Pochmann
Por Patrícia Facchin, do IHU
A lenta recuperação da economia brasileira indica que o país “passa pela mais grave crise desde a década de 1880” e a renda per capita do ano de 2019 é “quase 9% menor ao do mesmo ano de 2014”, quando iniciou a recessão econômica, diz o economista Márcio Pochmann à IHU On-Line. Apesar de a renda nacional não ter aumentado nos últimos anos, “a riqueza dos já muito ricos segue aumentando, uma vez que o ônus de toda a crise tem sido repassado para a classe trabalhadora. Em 2018, por exemplo, enquanto o PIB teria variado 1,1%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, os ganhos financeiros foram multiplicados por mais de sete vezes”, menciona. E acrescenta: “Neste primeiro ano do governo Bolsonaro, o Brasil fecha a primeira década perdida em termos econômicos do século XXI. Nos últimos 40 anos, o país acumula duas décadas perdidas”.
Na entrevista a seguir, concedida por e-mail, o economista reflete sobre o processo de desindustrialização da economia brasileira e sobre a inserção do país na revolução tecnológica. “A industrialização é a coluna vertebral de um país desenvolvido. Com a precoce desindustrialização brasileira, o Brasil regride à condição da procissão dos milagres descritos por Sergio Buarque de Holanda no seu livro a “Visão do Paraíso”, que predominou entre o início da colonização lusitana (1500) e o final da República Velha (1889-1930). Ou seja, a dependência do exterior determina o tipo de produção interna que deve ser fomentada para a exportação, conforme demonstraram os anteriores ciclos econômicos do açúcar, ouro, borracha, café e agora dos bens do agronegócio assentados na exploração dos recursos naturais e mão de obra barata”, avalia (continue a leitura)
Leia também
* Nogueira Batista expõe os vira-latas brasileiros (Outras Palavras)Economista explica como autoridades norte-americanas encontram na elite brasileira um aliado para desestabilizar autonomia do país. Como a nação regrediu: de protagonista dos “emergentes” à submissão – e quais os riscos à nossa soberania
_____________________________

terça-feira, 24 de setembro de 2019

O Brasil na ONU... com Bolsonaro


A íntegra do discurso de Bolsonaro na ONU (via Opera Mundi)

Naquele que pode ter sido um dos maiores reveses da diplomacia brasileira no cenário internacional, Bolsonaro abriu a reunião anual das Nações Unidas abraçando temas rejeitados no mundo todo, exceto por Trump. Inábil como é, cercado de ministros e assessores tão grosseiros e despreparados como ele, o presidente brasileiro, pode ter posto a perder toda a estratégia de uma política externa tradicionalmente voltada à defesa dos interesses nacionais e da soberania dos povos, substituindo-a pela agressão ao meio ambiente, ao multiculturalismo, à paz e à democracia. Bolsonaro transmitiu para o mundo a ofensa que tem cometido contra os brasileiros. 


* O discurso afinado de Bolsonaro e Trump (DW* O mundo cada vez menor de Bolsonaro (PiauíLula fará queixa na ONU e dirá que Bolsonaro violou seus direitos (Uol* Na fala de Bolsonaro, um Mussolini de arrabalde (Outras Palavras* Como o mundo viu o discurso de Bolsonaro (Uol* Arrogante, cheio de bile, desastroso: me dá pena do Brasil, diz repórter (The Guardian* Como o meio político reagiu? (G1* Vergonha, má fé, agressividade: entidades protestam contra discurso de Bolsonaro (G1* Para setores do agro-negócio, discurso esclareceu equívocos e não deve pejudicar exportações (G1) * Quem é Ysani Kalapalo? 16 caciques repudiam Ysani (G1* Você envenena o planeta e semeia a morte (Leonardo Boff, JB) * ONGs criticam Bolsonaro e chamam seu discurso de 'farsa(Jornal do Brasil) O que pensa Raoni (G1) * Indígenas reagem ao discurso de Bolsonaro (G1* Discurso na ONU oficializa insignificância de Bolsonaro para o resto do mundo (Tiago Barbosa, GGN* Na ONU, Bolsonaro ressuscita Guerra Fria, queima pontos e isola o Brasil (Sakamoto, Uol* Bolsonaro joga para a plateia (Folha* Bolsonaro perdeu uma das últimas oportunidades de ser respeitado (Jamil Chade, Uol* Bolsonaro fala para a extrema direita global (Gilberto Maringoni, GGN) * Falsa e desastrosa, fala de Bolsonaro na ONU só piora imagem do Brasil (Kennedy Alencar) * Um presidente preso em seu labirinto (César Felício, Valor, em cópia pdf* Bolsonaro na ONU, mentiras e exageros do presidente (Agência Lupa, Piauí) * Bolsonaro na ONU: radicalização à direita, ataques a países e presidentes e anúncio de ações anti-indígenas (RBA* Jair Bolsonaro foi Jair Bolsonaro na ONU (Diogo Schelp, Uol)
__________

As expectativas antes do discurso

* Bolsonaro é aconselhado a "vender" agenda de reformas ambiciosas (Folha
* Bolsonaro abre assembleia agitada por novo escândalo de Trump (El País* O discurso que não será lido por Bolsonaro (InterceptBolsonaro chega à ONU na defensiva e usa colar indígena na visita a NY (UolProtestos marcam chegada do presidente Brasileiro (Uol* Caciques de 14 povos do Xingu protestam contra indígena convidada por Bolsonaro para ir à ONU (Globo) * Sem votos suficientes, Brasil cede na ONU em resolução sobre Venezuela (Jamil Chade, UolGreta Thunberg denuncia Brasil e mais quatro países na ONU (Uol* Ágatha, Raoni e Marielle: a realidade que ameaça abafar a voz de Bolsonaro na ONU 
 (El País* Bolsonaro na ONU: grande fiasco anunciado (Tereza Cruvinel, 247) * A garota, o fascista e o futuro (Outras Palavras)
__________

O tempo da dignidade na política externa brasileira

O que está em jogo no retrocesso da política externa brasileira

______________________________