segunda-feira, 26 de outubro de 2020

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

O Brasil falido de Bolsonaro

 Até o FMI discorda de Guedes

Para Fundo Monetário Internacional (quem diria), sair da crise exigirá flexibilizar austeridade, ampliar gasto público e taxar grandes fortunas, mas Paulo Guedes insiste em levar o país ao desastre econômico e social. Paulo Kliass, em Outras Palavras

Paulo Guedes permanece alheio à trágica realidade que o Brasil enfrenta e mantém o discurso irresponsável do personagem austericida fiscalista a todo custo. De acordo com sua visão conservadora, tudo será resolvido no tempo certo, a partir da simples conjugação das forças de mercado (continue a leitura)


Leia ainda: * Renda cidadã pode cortar 3 milhões de famílias do programa para caber no orçamento (Folha) * Tirando do paupérrimo para dar ao pobre: o uso do dinheiro do Fundeb (Piaui) * Reforma trabalhista não resolveu problema do mercado (RBA)

______________________________

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

A obra-prima de Bolsonaro: destruição

Bolsonaro diz que em seu governo Ministério do Meio Ambiente ajuda - e muito - os empresários (Bol) * A ganância e a idolatria ao dinheiro transformaram o Pantanal em terra arrasada (IHU)

O fantoche do imperialismo

"Brasil trabalhou separado dos EUA para derrubar Allende"

Chile, 11 de setembro de 1973: Salvador Allende enfrenta golpistas durante bombardeio do Palácio La Moneda, em Santiago
Entrevista com pesquisador Peter Kornbluh, do Arquivo de Segurança Nacional dos EUA, comprova que militares brasileiros, em atitude de subserviência, tornaram-se instrumento do imperialismo dos Estados Unidos e agiram deliberadamente contra a soberania do Chile. Episódio, que marcou um dos golpes de estado mais sangrentos da América Latina, mostra que a ideologia totalitária que domina as forças armadas brasileiras não é nova nem exclusiva de Bolsonaro, mas processo estruturado que deixa nosso país marginalizado no cenário internacional. Leia aqui a íntegra da matéria do Estadão.

Outras postagens do blog sobre o tema: * Bolsonaro no Chile - apologia à ditadura * Chile, 11 de setembro.
______________________________

domingo, 18 de outubro de 2020

Democracia e sociedade autoritária


Por MARILENA CHAUI (via A Terra é redonda)


Há no Brasil um mito poderoso, o da não violência, que oculta o autoritarismo social


Estamos acostumados a aceitar a definição liberal da democracia como “regime da lei e da ordem para a garantia das liberdades individuais”.


Visto que o pensamento e a prática liberais identificam liberdade e competição, essa definição da democracia significa em primeiro lugar que a liberdade se reduz à competição econômica da chamada “livre iniciativa” e à competição política entre partidos que disputam eleições; em segundo, que a noção de regime da lei e da ordem indica que há uma redução da lei à potência judiciária para limitar o poder político, defendendo a sociedade contra a tirania, pois a lei garante os governos escolhidos pela vontade da maioria; em terceiro, significa que há uma identificação entre a ordem e a potência dos poderes executivo e judiciário para conter os conflitos sociais, impedindo, por meio da repressão e da censura, sua explicitação e desenvolvimento; e, em quarto lugar, que, embora a democracia apareça justificada como “valor” ou como “bem”, é encarada, de fato, pelo critério da eficácia, medida, no plano legislativo, pela ação dos representantes, entendidos como políticos profissionais, e, no plano do poder executivo, pela atividade de uma elite de técnicos competentes aos quais cabe a direção do Estado, ou a afirmação de que a democracia é o governo de muitos por poucos (continue a leitura).

______________________________