segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Baixo Augusta: folia e diversidade democrática

São Paulo mostrou na diversidade social e cultural da folia um recorte do que é o Brasil. O boneco Doria, os idiotas do golpe e sua obstinação em caçar (com "ç" mesmo) os direitos da cidadania e proteger o capital, vão pagar caro por desconhecerem o país em que vivem e por sua estupidez.
A melhor cobertura acho que foi da Folha: Baixo Augusta leva 300 mil foliões às ruas com tema A cidade é nossa. Aliás, o ex-prefeito Haddad estava lá, com a esposa, brincando com os populares. Enquanto isso, golpistas de todos os matizes vivem escondidos, assustados e temerosos de que sejam linchados. 
______________________________

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Raduan Nassar e a coragem de não ficar calado

Autor de Lavoura Arcaica, uma obra prima da literatura contemporânea,  Nassar foi contundente ao referir-se ao Brasil: "vivemos tempos sombrios".
Leia aqui a íntegra da manifestação do escritor ao receber o Prêmio Camões

E sobre a reação de Roberto Freire a Nassar, leia O micróbio contra o gigante, de Luis Nassif
______________________________

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A deterioração da ética pública na era Temer (por Eugênio Aragão, via GGN)

O despudor com que Padilha descreve as negociatas do "governo" Temer em troca de apoio para as medidas anti-sociais que vem sendo tomadas no Congresso mostra nas mãos de quem o Brasil está e confirma a análise de Eugênio Aragão, abaixo.

Na disputa da vaga aberta no STF pela aposentadoria de Carlos Aires Brito, despontou como "candidato" com maiores chances à indicação presidencial o Prof. Heleno Torres. Chegou a ser recebido pela Presidenta Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, que, segundo se fez circular, batera o martelo em seu favor, mas lhe pedira absoluta discrição enquanto não houvesse anúncio oficial do nome. Heleno, porém, com forte apadrinhamento no STF e no governo, não honrou o pedido da Presidenta. Almoçando em elegante restaurante dos Jardins em São Paulo, na companhia do então Advogado-Geral da União, Luis Inácio Adams, deu com os dentes na língua e falou pelos cotovelos, a comemorar antecipadamente a indicação. Presenciado por gente da imprensa, o fato espalhou-se como fogo de palha e gerou enorme constrangimento para a Presidenta e o próprio "candidato". O resultado não tardou: Heleno Torres tornou-se, talvez, o primeiro caso de martelo "desbatido" na história das supremas indicações. Tentou desesperadamente contato com a Presidenta para se justificar, sem sucesso. Dilma não atendeu. A deslealdade não merecia tratamento diverso (leia mais)
______________________________

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ex-ministro da Justiça e possível integrante do STF

Alexandre de Moraes não é flor que se possa cheirar:
denúncias que apontam seu nome em práticas
suspeitas nunca foram desmentidas de forma convincente.
Talvez tenha chegado a hora de levar a sério a
ameaça que esse cara representa para o país
(leia as matérias ao final da postagem)

Obra de Alexandre de Moraes tem trechos copiados de livro espanhol

A notícia da Folha precisa ser lida integralmente e analisada com cuidado, pois exibe uma dimensão inédita do caráter de um cidadão que, depois de ocupar o cargo de Ministro da Justiça, está sendo indicado para o Supremo Tribunal Federal, duas posições de extraordinária relevância na vida brasileira. Uma versão nacional e atual do filme Indagine su un citadino al di sopra di ovni sospetto, de Elio Petri.

Agora, comprovado seu grave comprometimento intelectual por ter se apropriado indevidamente de produção que não é sua, talvez fique muda a claque que vê em Alexandre de Moraes o melhor substituto para o lugar de Teori Zavascki; mais que isso, o cara que terá sob sua responsabilidade rever os processos da Lava Jato, é sabidamente indicado por Temer não por seu saber jurídico ou coisa que o valha, mas porque funcionará no STF como um colchão de acobertamento das denúncias que têm vindo à tona com as delações premiadas.

Se não faltar dignidade aos senadores (difícil imaginar isso com Lobão e Anastasia na CCJ) para sabatinar com rigor o plagiador Alexandre de Moraes, talvez o Brasil fique livre da humilhação de tê-lo como membro do Supremo - que tem na sua história figuras de respeito que não merecem o seu convívio. Se isso não acontecer, resta uma saída: que tal a Faculdade de Direito do Largo São Francisco instaurar uma sindicância que apure a autenticidade da autoria dos trabalhos produzidos por Moraes, seus artigos e suas teses. Vai ver que o garoto prodígio não passa de um blefe. Fora com ele!

Recordar é viver

* Nos tempos de Alexandre: Guerra à Primavera (Vigilância). "Em São Paulo, berço das ocupações de escolas que se espalharam pelo país no final de 2015, governo adotou táticas de vigilância, ameaças e tortura contra estudantes". O secretário de segurança de Alckmin era o agora provável ministro do STF, Alexandre de Moraes.

* Imóveis milionários, Cunha, PCC: as polêmicas de Alexandre de Moraes (El País) * O polêmico passado de Alexandre de Moraes (Jornal do Brasil) * Secretário da Segurança defende cooperativa de van ligada ao PCC (Veja).

* Senadores fazem sabatina informal (ou teria sido "clandestina") com Alexandre de Morais (Estadão) * Para entender o encontro: STF autoriza investigação sobre concluir de senadores para obstruir a Lava Jato (El País)
______________________________

Reforma do Ensino Médio, ilegal e ilegítima, é aprovada no Senado